5 perguntas sobre… Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes, um dos maiores letristas da MPB

Vinicius de Moraes, um dos maiores letristas da MPB

Por Clara Albuquerque

DRT/PE 4916

Em diversos lugares do país, as homenagens a ele foram muitas. Vinicius de Moraes foi um dos mais férteis artistas que o Brasil já viu nascer. Diplomata, roteirista, poeta, músico. Como diria Fernando Sabino, ele era um ser numeroso. Em comemoração ao centenário deste, que foi um dos fundadores da Bossa Nova, celebrado no último dia 19, o 5 perguntas sobre… de hoje é com ele.

Quem foi? Na música, um dos maiores letristas da Bossa Nova. Fez muitas parcerias com compositores que se tornariam consagrados. Algumas das mais marcantes foram Tom Jobim, Baden Powell, Chico Buarque de Holanda e Toquinho. Destacou-se como letrista de músicas memoráveis. Foi a partir do convite que fez a Tom para musicar sua peça de teatro, o Orfeu da Conceição, que começou a surgir o novo estilo musical brasileiro, posteriormente, aprimorado pelo violão de João Gilberto.

Do que abusava, tecnicamente? Vinicius se destacou pela habilidade de encaixar a poesia na música. Na época em que despontou com Tom Jobim, as letras das músicas associavam o amor ao sofrimento. O poeta, então, implantou uma característica de pregar um amor que poderia ser belo sem que pra isso precisasse, unicamente, da dor. Suas letras são muito bem elaboradas, existe o primor da língua portuguesa combinada ao requinte de uma melodia bem elaborada.

Do que mais se influenciou? Ele era apaixonado por jazz. Havia influências do violonista Laurindo de Almeida e do compositor Louis Armstrong quanto a este estilo. Suas parcerias, também, o influenciaram, visto que ele era um criador aberto a possibilidades. Baden, por exemplo, lhe apresentou os ritmos africanos e ritos do candomblé, de onde derivaram seus famosos afro-sambas.

Quais as composições mais lembradas? Foram muitas composições memoráveis, vamos citar algumas. Com Tom: Se todos fossem iguais a você, Chega de saudade, Água de beber, Eu sei que vou te amar, Ela é carioca e Garota de Ipanema. Com Baden: Canto de Ossanha, Samba em prelúdio e Samba da bênção. Com Carlos Lyra: Minha namorada. Com Pixinguinha: Lamento. Com Edu Lobo: Arrastão. Com Toquinho: A casa, Carta ao Tom, Tarde em Itapuã e Sei lá… a vida tem sempre razão.

O que a sua música representou para a MPB? Uma revolução: a criação de uma identidade lembrada em diversas partes do mundo, a beleza de um amor leve, a língua bem escrita sendo transposta ao canto, a intensidade da importância de viver um grande amor. O legado que Vinicius deixou jamais será esquecido. Não se pode falar de boas referências, na MPB, sem citar o seu nome.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s