Bossa Nova na Web: apresentações bossanovistas no século XXI

Por Clara Albuquerque

DRT/PE 4916

DSC02339O Bossa Nova na Web de hoje traz, à discussão, algumas notícias que tem sido veiculadas na mídia digital: as apresentações da Bossa Nova no século XXI. Recentemente, encontramos publicações de artistas, como Carlos Lyra, estarem fazendo apresentações com o repertório da Bossa Nova e trouxemos esse assunto para uma conversa com o músico Newton Banks Jr. que se apresenta em diversos lugares com um projeto que leva a Bossa Nova ao público.

Alguns artistas que pertenceram ao movimento da Bossa Nova, a exemplo de Carlos Lyra, continuam levando as músicas daquela época, ao público, em apresentações. Como você vê isso?

Embora eu reconheça que a Bossa Nova está em baixa, inclusive isso foi um dos temas do meu último recital, visto que você não ouve Bossa Nova nas emissoras de rádio, salvo uma ou outra, em ocasiões raríssimas, o fato de Carlinhos Lyra e João Gilberto, serem, praticamente, os únicos que estão na ativa veiculando Bossa Nova é muito importante. Esses artistas precisam ser mais ouvidos, é muito importante que as emissoras de rádio procurem divulgar mais a obra desses artistas. Como eu falei, anteriormente, a Bossa Nova está muito em baixa e é preciso tomarmos a atitude. Esse projeto que eu estou levando à mídia, agora, já é uma atitude, de recuperação, de resgate dessa Bossa Nova, pelo menos da Bossa Nova tradicional, porque, hoje, ninguém faz a Bossa Nova como foi a Bossa Nova do fim dos anos 50. De certa forma, a Bossa Nova foi mascarada, porque a Bossa, na sua essência, é uma coisa singular, foi uma coisa muito própria daquelas pessoas que viveram aquele momento. Então, é difícil você apontar, hoje, um compositor que faça um tipo de música que, pelo menos, chegue perto, seja parecida com a Bossa Nova.

Apresentações de artistas da Bossa no século XXI deveriam ser tratadas como uma viagem aos anos 50 ou um resgate dos anos 50 para compor a cena musical da atualidade?

Eu diria que as duas coisas, porém, com mais ênfase numa vivência dos anos áureos da Bossa Nova. Porque o João Gilberto e o Carlinhos Lyra, em seus shows, fazem como se fosse um reprise daquela época sem mudar quase nada. Então, é uma boa oportunidade para os saudosistas, para as pessoas que alcançaram aquele momento, que viveram aquele momento e, para os jovens, uma oportunidade de conhecer. Então, como eu falei anteriormente, eu vejo apresentações, nos dias de hoje, da Bossa Nova como dois caminhos: o caminho para mostrar e fazer o jovem conhecer e para uma revivência ou uma nostalgia para as pessoas de mais idade que alcançaram o movimento bossanovista.

Artistas desta geração têm, também, se dedicado a conhecer e tocar Bossa Nova, especialmente, neste ano, que foi o centenário de Vinicius de Moraes. O que você acha disso?

Por esse advento do centenário de Vinicius, houve uma movimentação maior em cima da Bossa Nova. Vários artistas se mobilizaram, muita gente tocou e muita gente cantou. Mas, isso passou-se e, no cotidiano, não se dá a devida importância à Bossa Nova. Alguns artistas, em seus shows, cantam uma, duas ou três músicas de Bossa Nova, ao vivo, mas não incluem, em suas gravações em CDs ou, mesmo, DVDs essas músicas, o que é uma pena. Seria muito bom se esses artistas atuais, mesmo que com uma roupagem nova, fizessem algo que resgatasse o movimento da Bossa Nova. Espero que as pessoas atentem mais para esse movimento tão bonito, tão importante, tão profundo, que marcou e, ainda, está marcando e deu, de certa forma, uma identidade à nossa música. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s